Observatório Carioca


Bater em prostituta, travesti, mendigo, índio e negro pode? by Página do Microcrédito
junho 28, 2007, 7:06 pm
Filed under: Cotidiano, Eventos

Uma notícia deixou estarrecidos todos os que sonham com um mundo novo, justo e solidário, ou como diria Platão, se “pautam pelo bem comum e lutam contra a ignorância”. Trata-se do espancamento da trabalhadora doméstica Sirley Dias de Carvalho Pinto, de 32 anos, por jovens moradores da Barra da Tijuca quando a moça esperava um ônibus, às 5h, da manhã, para ir ao médico, no último sábado. O quadro sem enfeite é o seguinte: filhos de papai bem alimentados se divertem em bater em trabalhadora indefesa.

A explicação dos criminosos é que pensavam que era uma prostituta. Impossível não associar este crime ao assassinato do índio Galdino quando jovens brasilienses, com o mesmo perfil dos cariocas, se divertiram em incendiar um índio pataxó que dormia em um abrigo, em Brasília, em 21 de abril de 2001. Disseram pensar que era um mendigo.

A pretensa justificativa nos choca tanto quanto as pancadas sofridas pela trabalhadora. Nos mostra, mais uma vez, como as classes populares são vistas pela juventude de classe média e alta. É esse mesmo sentimento que justifica a existência de um carro blindado PM que se chama caveirão e também a tortura de qualquer preso nas delegacias policiais, às vezes apenas suspeitos, desde que sejam pobres.

O crime de Barra da Tijuca merece todo o destaque que a ele tem sido dado pelos meios de comunicação e exige dos militantes dos movimentos de direitos humanos uma grande firmeza para impedir que fique impune.

Não nos esqueçamos. No Brasil, cadeia é para pobre e de preferência, negro.

Ataques freqüentes

Prostitutas e travestis que passam as madrugadas na Avenida Lúcio Costa (antiga Sernambetiba) viraram alvos freqüentes de violentos jovens de classe média alta da Barra. De acordo com as vítimas, os agressores costumam agir em grupo e as atacam nos pontos de ônibus.

— Essas agressões são comuns. Há poucos meses eu estava grávida e, apesar disso, não me pouparam. Fui espancada porque não quis fazer sexo com quatro rapazes que estavam em um carro — contou uma garota de programa.

Quando não espancam suas vítimas, os jovens utilizam outros meios para ferir prostitutas e travestis. Há relatos de pessoas que foram atingidas por pedradas e latas de bebidas.

— Eles também gostam de descarregar extintores de incêndio em cima da gente. Isso acontece sempre e a polícia não faz nada, até acha graça — afirmou um travesti.

Agressões foram testemunhadas por um frentista.

— A todo momento chegam grupos ao posto em que trabalho para comprar extintores. Eles usam o equipamento para atacar as prostitutas — disse.

Ela é feita para apanhar?

A Superintendência dos Direitos da Mulher Estado do Rio de Janeiro, especialistas das áreas de Justiça, Segurança e Direitos Humanos, Movimento Feminista e de Mulheres se encontram nesta quinta-feira, dia 28, no debate ‘Ela é feita para apanhar’? Vai ser no Cedim, que fica na Rua Camerino, nº 51, no centro do Rio.

Fonte: Boletim O Mosquito – Ano I – N.º 0



Tem algo errado by marcelomdrs
junho 28, 2007, 2:21 pm
Filed under: Cotidiano

Provavelmente foi a maior operação policial já feita no Rio de Janeiro. 1350 policiais, civis, militares e da Força Nacional mataram ao menos 19 pessoas (depois de tantos tiros, provavelmente ainda há corpos espalhados pelos valões do Complexo do Alemão).

E hoje pela manhã, o secretário de segurança afirma que o chefe do tráfico fugiu e que ainda restam muitas armas nos morros do complexo.

Se mil policiais não conseguem achar todas as armas e drogas, quem consegue??? Há algo de errado nessa operação, definitivamente.



Até onde nós vamos? by Página do Microcrédito
junho 28, 2007, 12:46 am
Filed under: Cotidiano

Para onde eu olho é só violência. O tempo inteiro. Ontem, 9 pessoas foram vítimas de balas perdidas. Nos últimos dias o número de pessoas que apanhou (entre eles, o caso daquela senhora que é trabalhadora doméstica) ou que sofreu algum tipo de violência parece ter crescido terrivelmente.

Hoje, ao chegar em casa, leia a notícia abaixo. Quando vamos aceitar que vivemos em uma guerra civil? Qual a chance de voltarmos vivos para os nossos lares?

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Uma operação com mais de 1.300 policiais, inclusive com participação da Força Nacional de Segurança, deixou ao menos 18 mortos nesta quarta-feira em confrontos com traficantes, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, na maior operação desde o início das ações no conjunto de favelas.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio, dez pessoas ficaram feridas, entre elas um policial, e dois suspeitos foram detidos. O número de mortos na “megaoperação”, para apreender armas, drogas e suspeitos, pode ser maior.

O secretário José Mariano Beltrame disse a jornalistas que “o cerco vai aumentar” no Complexo do Alemão. Segundo ele, a operação foi planejada diariamente durante três meses para que houvesse o menor risco à população civil. No entanto, o comércio da região fechou as portas, e pais correram para tirar seus filhos das escolas depois que o tiroteio começou.

Os traficantes fizeram barricadas e espalharam óleo para impedir que os blindados da polícia subissem o morro.

Nas cinco horas de incursão com troca de tiros, os policiais apreenderam 4 metralhadoras antiaéreas, 40 quilos de cocaína e 30 quilos de maconha e disseram ter chegado a locais que não eram alcançados dentro do conjunto de favelas há dez anos.

Cerca de 150 agentes da Força Nacional de Segurança deram apoio a 1.200 homens das Polícias Civil e Militar. A força federal foi enviada ao Rio no começo do ano, depois de uma onda de ataques a postos policiais e ônibus.

O chefe de Polícia Civil, Gilberto Ribeiro, disse que a ação no Alemão seria “cirúrgica”, com base em atividades de inteligência realizadas desde que a polícia ocupou a vizinha favela de Vila Cruzeiro, em 2 de maio.

Até terça-feira, mais de 20 pessoas foram mortas e cerca de 60 feridas, a maioria vítimas de balas perdidas, durante tiroteios regulares entre policiais e traficantes.

A violência na cidade desperta preocupações para os Jogos Pan-Americanos, já que o Rio tem uma das maiores taxas de homicídios das Américas —1.800 assassinatos (grifo meu) foram registrados na Região Metropolitana nos quatro primeiros meses do ano.

O Rio deve receber 5.500 atletas de 42 países e territórios, além de quase 800 mil turistas, durante os 16 dias do evento, que será aberto oficialmente em 13 de julho.

Cerca de 6.000 agentes da Força Nacional de Segurança vão vigiar as ruas da cidade durante os Jogos, ajudados por 16,5 mil policiais estaduais, alguns dos quais vão ocupar as favelas mais perigosas. Parte do esquema especial de segurança entra em vigor no sábado.

(Reportagem adicional de Maria Pia Palermo)



Troca de tiros provoca incêndio em bar no Alemão by Página do Microcrédito
junho 21, 2007, 3:47 am
Filed under: Cotidiano

Uma troca de tiros entre policiais do 16º Batalhão de Polícia Militar e bandidos na Favela da Fazendinha, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, provocou um princípio de incêndio na madrugada de hoje em um bar que funciona na Avenida Itaoca, na esquina da rua Antônio Austragésylo, um dos principais acessos à favela. Dois homens que trafegavam em uma moto atiraram nos policiais e foram rechaçados a tiros. Não houve registro de feridos.
Continue lendo



O poder… da internet? by Página do Microcrédito
junho 15, 2007, 3:27 pm
Filed under: Geral

Atribuyen el primer milagro vía Internet al santo brasileño Frei Galvao

Río de Janeiro, 13 jun (EFE).- Frei Galvao, el primer santo de la Iglesia católica nacido en Brasil, ha pasado también a la historia como el primero en conceder un milagro a través de la tecnología de Internet, la red mundial de computadoras, afirmaron hoy sus fieles.

Según informa el portal oficial http://www.saofreigalvao.com, el milagro se dio a través de la fe de una fiel brasileña que vive en Tenessee (Estados Unidos) y que narró su caso a través de una carta enviada al museo Sao Frei Galvao en Guaratinguetá, interior del estado de Sao Paulo.

San Frei Galvao, un sacerdote nacido en 1739, fue canonizado en mayo pasado en el estado de Sao Paulo por el papa Benedicto XVI. Sus milagros se fundamentan en oraciones contenidas en “píldoras” de papel de arroz que son ingeridas por los creyentes.

Según explica el portal del santo, la mujer, de 41 años, explica en la carta que recibió la noticia de que estaba con una enfermedad grave.

Ella llamó a una amiga en Brasil que le recomendó tomar las píldoras del santo. Como eran inalcanzables, apeló al portal, donde hay prescritas oraciones y procesos para encender velas en línea.

“En ausencia de las píldoras ella encendió diariamente las velas, con mucha fe e hizo las oraciones. Pasado algunos días ella fue a buscar más exámenes. El resultado era otro, ella ya no tenía la enfermedad”, según la versión.

La mujer relata la historia en la carta guardada en el museo de Frei Galvao y autoriza su difusión.

“Si usted no tiene las píldoras pero tiene internet en casa, rece el rosario encendiendo diariamente las velas de Frei Galvao”, recomienda el portal que además envía para todo Brasil imágenes del santo, algunas de ellas con las píldoras “milagrosas”.

La “vela virtual” es encendida en el sitio en Internet que registra hasta hoy 13 de junio 43.475 pequeñas llamas ardiendo en el ciberespacio.

La noticia fue reseñada también por la Agencia Estado, que identifica a la mujer como Ana María Dykes.

“Recibimos la noticia hasta con cierto susto. Sabemos que no es la vela virtual sino la fe en la persona de Frei Galvao”, declaró la vicepresidente de la Hermandad del religioso, la historiadora Thereza Maia, citada por Agencia Estado.

Los fieles del religioso dicen que no hay precedentes en esta historia.

“No hallamos ninguna gracia conquistada por medio de la tecnología, a no ser esa de Frei Galvao. Es una gracia real por un medio virtual. La verdad es ciertamente fe”, agregó Leonardo Cipoli, el responsable del portal religioso que ha recibido 22.700 cartas de fieles contando haber recibido gracias.

Fonte: http://es.noticias.yahoo.com/



O que acontece by Página do Microcrédito
junho 13, 2007, 4:06 pm
Filed under: Geral

…é o seguinte: esse blog está meio morto. Sou um observador fajuto. Não tenho mais saído de casa. Estou observando o mundo por uma tela (ou mais de uma). Como estará o Rio de Janeiro lá fora?

Enquanto isso, vamos aproveitar o famoso “carioquinha”, que este ano está bem bacana. Assim ao menos eu saio de casa…



Situação do RJ é de guerra, diz Cabral by Página do Microcrédito
junho 6, 2007, 3:32 am
Filed under: Cotidiano, Geral

Essa eu não aguentei: nosso governador descobriu que o Rio de Janeiro anda meio violento – deve ter visitado o Rio Body Count… Ou pegou um ônibus… Ou andou de metrô… Vai saber!
Vejam abaixo a matéria:

O chefe do Estado-Maior de Defesa, tenente-brigadeiro-do-ar Cleonilson Nicácio Silva, chega ao Rio na próxima semana para definir a atuação das Forças Armadas no Estado. Ele se reunirá no dia 19 com o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e o secretário da Segurança, José Mariano Beltrame.

“Não há outro caminho, é guerra. Para combater a marginalidade, é guerra, é apoio à polícia, nós vamos continuar fazendo isso”, declarou Cabral. Ele disse que ontem recebeu um telefonema do ministro da Defesa, Waldir Pires, para informar a data da chegada do brigadeiro. “Ele chega no dia 14 e vai se reunir comigo e com o secretário para o desfecho da vinda das Forças Armadas, para fecharmos a operação presença.”

O governador disse que o trabalho será feito “dentro da demanda que o Estado havia solicitado”. A previsão é a de que soldados patrulhem vias expressas e a área do entorno de quartéis. “Não há nenhum efeito espetacular. O que nós estamos fazendo e continuaremos fazendo é combater o crime organizado, cada vez mais em parceria com o governo federal.”

Cabral reafirmou que não há prazo para o fim de ações como a ocupação do complexo de favelas do Alemão, na zona norte. “É um trabalho que vai continuar durante os quatro anos de governo, não tem prazo para acabar. Nosso objetivo é ganhar da criminalidade. Um trabalho que não tem fim. Enquanto existir esse absurdo de comunidades do Rio controladas por marginais, nós vamos combater. Não tem conversa.”

O governador fez o anúncio após apresentar a conversão de 3 mil ônibus da frota do Estado para o sistema B5: diesel + 5% de biodiesel. Segundo ele, até o fim do ano, toda a frota de 18,3 mil ônibus estará convertida. “Antecipamos em seis anos a meta do País para 2013. É o primeiro Estado a fazer isso”, disse Cabral, referindo-se ao Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel.

A fonte é o site do Yahoo Notícias.